terça-feira, 26 de maio de 2015

Eu tenho medo. Medo

Eu tenho medo de provocar infelicidade as pessoas
Medo de frustrar expectativas de quem amo
Tenho medo de mudar a vida de alguém ao ponto de não conseguir reverter essa situação
Medo de desanimar quem em mim apostou

Eu tenho medo dessas desgraças que os planos não esperavam
Medo de trazer tragédia a família
Eu tenho medo de ser a ovelha negra
Medo de errar e não ter quem me console

Eu tenho medo de não se orgulharem de mim
Medo de não atender
Eu tenho medo de ter medo medroso
Medo de me amedrontar por medo

Medo de medo de medo de medo de medo

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Definhamento Salutar

A angustia de não entender o porquê da minha falta de valor. Crio em mim a sensação de impotência e incapacidade. A conformidade de um alguém me atinge como a de uma multidão.

Estou cheio de amor e realizações. No meu limite. Falar que não sou aquilo que achava faz com que eu pense que vivo novamente uma ilusão, entre tantas outras, desilusão. Sobra em mim a dúvida de ser envolvido pela opinião de alguém insano.

Estou cheio de amor. Cheio de insatisfações. Focar no amor que sinto vai refazer todos meus planos e objetivos. Essa decisão será tomada. Essa dúvida, solucionada.



domingo, 8 de dezembro de 2013

É difícil sentir a dor de um paradoxo

Sonhar
E acreditar naqueles princípios de que nunca erraríamos, ou nos pegaríamos em contradição no meio de alguma decisão. Como é difícil sentir a dor de um paradoxo no meio de um momento decisivo.

Acreditar
E pensar que somente isso será capaz de fazer tudo se realizar. A fé como a maior ferramenta que impulsionaria algum desejo ou necessidade. Intangibilidade nos sentimentos é o motivo que ações existem.

Errei por errar, por acertar apenas ganhei a falta de penalidade. Sonhei, acreditei. Sonharei, acreditarei, mas de pés no chão e trabalhando.


sexta-feira, 4 de outubro de 2013

TEU CANTO SOLIDÃO

Eu viveria algumas dessas felicidades, se em nossas desigualdades não houvesse o passado.
Eu viveria algumas dessas atrocidades, para no fim ouvir o teu canto
Eu calaria minha impetuosidade, se do peito tirasse esse amor guardado
Eu morreria com algumas dessas possibilidades, pois calaria meu pranto


sábado, 17 de agosto de 2013

Inveja

Vi aquele sonho do outro
Era tão lindo e tão imperfeito
Não era de fadas, tão mundão, imundo, estranho
Ele vivia como se fosse o melhor dos sonhos
Na pobreza, na dificuldade
Mas com sorriso
Eu vi a felicidade nos olhos de quem era para ser desgraçado
Eu vi  pureza em meio a desgraça
Ele a tinha, a moça
A moça era felicidade dele
Estou em choque porque a moça é tão desgraçada quanto ele
E também feliz tanto quanto
Eles se amam e parece que nada importa
Lutam contra suas desgraças
E no meio de tanto amor só vejo beleza
A podridão do ambiente não os atinge
Talvez isso seja o amor
Sem beleza
Sem frieza
Sem orgulho
Sem barreiras
Sem ver
Só sentir
Esse é amor que nos leva a ser mais do que somos
É a sinergia dos corpos que se amam
Eram perfeitos
A cada vitória vibravam
A cada derrota se consolavam
Era a luz da desgraça
E meus olhos que apenas invejavam


domingo, 28 de julho de 2013

Sua Foto

Sua foto era pra mostrar outra pessoa
Era pra refletir outro sentimento
Não era aquele momento
Nem tinha que ser essa pose
O humor não tinha esse sarcasmo
Não deveria remeter a essa lembrança
Esse sorriso não era de canto
Nesse ombro falta eu
Nessa boca falta o meu
Nessa linha falta nosso tempo
Nesse flash falta brilho
Essa estrada, esses trilhos
Isso que você toca era pra ser eu
Esse olhar direcionado ao foco era meu

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Minha nuca na sua Beira

Era amor de sexta-feira
Quente, suado, confuso, corrido
Canseira
De folga na lareira
Com tapete até a cabeceira
O lobo sobre a neve
Minha nuca na sua beira
E você sem estribeira
Nessa rima de cantoneira
Se pondo a me beijar

Queria ir aí pra te ver
Conversar
Só sentir seu tocar
E lacrimejar
Pôr no fogo minhas cartas
Afogar meus sentimentos
E ao te ver tudo ressuscitar
Diante dos meus olhos